Novas Startups

Juntando mais uma peça do que tenho visto de coisa boa no novo empreendedorismo no país, separei mais uma lista bem legal de ferramentas que uso, que acredito e que vi que vão fazer bonito daqui para frente. São startups que estão aproveitando muito bem uma coisa que chamo de “Momentum”.

Antes da lista, quero fazer um destaque para três startups novas que por não estarem no hype de matérias de assessoria de imprensa e eventos do gênero, são três pérolas. O que mais me chama a atenção dessas startups é a idade dos fundadores e maturidade dos negócios que já têm cara de “grandes empresas”.

A três primeiras pérolas

WallJobs

confianet

Em tempos de crise, essa é uma das que podem ajudar bastante empresa, a achar o cara certo. E achar o cara certo meu amigo, custa. O WallJobs é uma plataforma (e uma rede) que conecta universidades, empresas e candidatos de forma muito profissional. Acredite: muito profissional mesmo.

Com apenas um ano de vida a startup já tem clientes como Ambev, GE, GuiaBolso, Rocket Internet, Nielsen, JP Morgan. E sabe onde foi criada? Numa sala de aula na ESPM, pelo Henrique Calandra.

Detalhe: o Henrique tem 26 anos. 

Kuadro

kuadro

Adivinha onde se formou o Bruno, fundador da plataforma Kuadro? No ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica). Engenheiro de formação, Bruno fundou a empresa com uma bióloga. Juntos eles passaram em algumas das universidades e cursos técnicos mais concorridos do país. E resolveram ensinar estudantes que almejam passar no ITA e no IME. Desde 2012 no ar, a startup deu uma bela guinada nos últimos 2 anos, e é a maior referência para alunos recém formados com o sonho de entrar nas duas mais concorridas universidades do país.

O Bruno tem uma “mente brilhante.”

Confianet

walljobs

Gosto muito de startups que nascem com a “pegada de vendas” no DNA. O Confianet é assim. O Henrique Coelho, que trabalhou na WiseUp, aproveitou bem a escola agressiva de vendas que era a empresa. Depois disso esteve na fundação do Pagar.me e saiu para montar o Confianet, com a certeza de estar criando algo grande e promissor. A Startup ajuda e-commerces a aumentar a conversão no checkout com um selo de segurança e com um certificado da empresa. Confiança é algo muito valioso, principalmente para negócios digitais. O modelo não é novo, mas a startup já tem cara de empresa grande. Já recebeu inclusive, investimento considerável.

O Henrique Coelho tem 25 anos. A startup ainda não completou dois anos de vida.

Vamos às próximas

Olist

Essa é uma startup que faz a distância entre grandes vendedores e pequenos produtores, encurtar rapidamente. Na Olist qualquer lojista, produtor, artesão e comerciante pode vender em grandes varejistas como WalMart, Extra, Americanas entre outros nomes dominantes do Marketplace no país. É uma verdadeira ponte entre dois pontos, até então desconectados.

Pipefy

Fundada no Brasil, já com foco no mundo, o Pipefy é um gerenciador de tarefas com foco em equipes que precisam controlar workflows de tarefas e produtividade. Incrível como o design, pensando detalhadamente na experiência, faz da plataforma uma simples e eficaz maneira de visualizar o que o time de vendas e de desenvolvimento precisa acompanhar.

Contro.ly

Banco digital. Segundo Forrester, Gartner e todas maiores empresas de análises do mundo, um dos grandes pilares do fundraising (Venture Capital e Private Equity) para os próximos anos, serão em empresas de tecnologia financeiras, mas especificamente “fintechs”. Num ambiente tão dinâmico que é o sistema monetário brasileiro, taí a oportunidade de bilhões. A Contro.ly sabe disso. Fique de olho e acompanhe.

Único

Essa foi uma boa supresa da lista que separei. Vi funcionar, e melhor: vi o impacto financeiro na ponta do varejo. É uma espécie de CRM de fidelidade focada no comércio. Eu gosto dessas empresas que já nascem comprovando a eficácia, de forma financeira. A Único garante com uma série de regras de fidelidade e vendas, retorno financeiro para lojistas. Impressionante os números de uma startup como essa, com menos de um ano de vida.

Doghero

Seu cachorro como hóspede. Já usei, uso e recomendo. É um marketplace de cuidadores de cachorro para quando o “melhor amigo” não tem com quem ficar. Na plataforma, você escolhe através de uma busca por região, perfil e avaliações, quem vai cuidar do seu cachorro durante sua ausência. O legal é que minhas experiências foram excelentes de ponta a ponta: tecnologia, experiência e pagamento.

Lendico

Essa startup está emprestando dinheiro mais barato que bancos. Acredite. A Lendico tem um sistema robusto de scoring, que permite que mesmo sem um banco de varejo, pessoas podem receber empréstimo sobre uma análise rápida, fácil e democrática. O sistema financeiro funciona com um agente financeiro regulamentado por trás, mas a agilidade da startup está chamando a atenção dos bancos.

PopRecarga

Essa é a terceira fintech da lista. Como sou do ramo, acompanho bem o segmento. E dentro da lista até caberia um tanto mais. Mas a “POP” é demais! No Brasil, onde 55 milhões de pessoas são desbancarizadas, a startup num sistema de recarga, no próprio celular, permite a compra de produtos e pagamento de contas de forma bem simples.

BuzzLead

Um dos maiores sucessos da Netflix é o sistema de recomendação que o sistema possui. A Buzzlead, faz exatamente isso: oferece para e-commerces e sistemas online, uma solução bem legal de recomendação de produtos, já com um sistema de afiliados. Tudo isso num “tracking” simples de conhecimento do cliente e da recomendação. Já tem integrações com plataformas como WordPress, Magento entre outras.

Reminds

A experiência. Esse é um app que baixei e comecei devagar e hoje já admiro. Por intermédio de um grupo, acabei conhecendo e realmente achei fantástico um app brasileiro com cara e aplicação “de gringo”. Imagine ter um app que te relembre momentos da sua vida através de música. 100% brasileiro. Incrível.

Com o tema “startup” recomendo outros dois textos:

Startups que valem à pena ficar de olho

Startups brasileiras que de fato resolvem problemas

  • Leandro Martins

    Rodrigo, obrigado pela referência ao BuzzLead.
    Estamos provando para o e-commerce e as empresas de APP´s que vale a pena investir na recomendação pessoal para gerar vendas e aumentar a conversão.

    Segundo o Instituto Nielsen, a recomendação pessoal é o meio que mais influência (84%), enquanto que a postagem online de consumidores vem em 3º lugar (68%), o e-mail marketing vem em 11º com (56%) e os anúncios em mecanismos de busca em 14º lugar (48%).

    O BuzzLead é oferecido como serviço e pode ser facilmente integrado em plataformas de e-commerce e APP´s.